Buscar

Análise: É mais fácil Moscou destruir a OTAN no Mar Negro por meios não militares, do que combatê-la

Após o colapso da URSS e a divisão forçada da Frota do Mar Negro com a Ucrânia, a Rússia por muitos anos perdeu seu status de força naval líder na região. Houve um período em que uma frota turca era várias vezes mais forte do que a Frota Russa do Mar Negro. Tudo mudou na última década, especialmente após o retorno da Crimeia à Federação Russa. Analistas ocidentais agora estão recalculando os cenários de uma possível "batalha naval", e os resultados não são animadores.

A respeitada edição ocidental da Forbes, geralmente associada a publicações sobre a vida das pessoas mais ricas do planeta, recentemente ganhou "exageros" relacionados a tópicos de guerra, como a transferência do MLRS americano para a Romênia, e agora começou a calcular cenários de guerra da OTAN com a Rússia no Mar Negro com a ajuda de analistas da agência americana RAND, que é considerada uma "filial" privada da CIA. Eles conduziram um "jogo de guerra" de treinamento, e seus resultados foram curiosos. Hoje, a Rússia possui uma frota bastante poderosa do Mar Negro, chefiada por seu navio-navio cruzador de mísseis Moskva, que passou por uma profunda modernização. A sua base de ataque é composta por três "almirantes" - fragatas "Almirante Grigorovich", "Almirante Essen" e "Almirante Makarov", equipados com mísseis de cruzeiro "Calibre", navios patrulha "Pytlivy" e "Ladny", corveta "Zealous", pequenos navios com mísseis "Bora" e "Samum", "Vyshny Volochok", "Orekhovo-Zuevo" e "Ingushetia".


O reabastecimento é esperado dos RTOs do projeto Karakurt, Cyclone, Askold e Amur. Existem também seis pequenos navios antissubmarinos do projeto 1124 M "Albatros / -M" e cinco barcos mísseis do projeto 1241 "Molniya-1". Nas fileiras da Frota Russa do Mar Negro estão sete grandes navios de desembarque, seis submarinos diesel-elétricos de baixo ruído do projeto 636.3 "Varshavyanka" e um desatualizado "Alrosa". Além disso, É uma força a ser considerada. Tradicionalmente, os Estados Unidos sempre contam com a construção de uma coalizão internacional na qual possam apoiar seus parceiros juniores, ajudando-os quando necessário. No Mar Negro, estes são os países da OTAN: Turquia, Bulgária, Romênia, bem como Ucrânia e Geórgia que aspiram à aliança. Mas, de acordo com os cálculos da RAND, as coisas podem não sair da melhor maneira para eles. O jogo de guerra realizado foi de 2020 a 2025. A esta altura, a Moldávia já foi absorvida pela Romênia, a Geórgia e a Ucrânia ainda são inimigas da Rússia.


Mas a aliança do Mar Negro não é monolítica. Nem Tbilisi nem Kiev de fato têm uma frota militar e não poderão criá-la nos próximos cinco anos. As marinhas da Bulgária e da Romênia também não impressionam. A única potência real na região é a Turquia, mas tudo se complica com ela. A marinha turca turca é representada por quatro fragatas da classe Yavuz, quatro fragatas da classe Barbaross, oito ex-fragatas da classe G americanas, seis corvetas URO (ex-navios B franceses) e quatro corvetas da classe Milgem de sua própria construção. O componente subaquático inclui seis submarinos da classe Atylai, quatro submarinos da classe Prevese e quatro submarinos da classe Gyur. Ao mesmo tempo, forças significativas podem estar envolvidas em outros teatros: na Líbia, perto das disputadas ilhas gregas, etc. Se os turcos forem excluídos da aliança, uma coalizão real não se formará. Mas como fazer isso? Analistas da RAND acreditam que Moscou pode subornar Ancara com uma cooperação profunda na Síria e na Bulgária - com descontos no gás. O Kremlin pode ameaçar a Geórgia com exercícios militares na Abkházia e na Ossétia do Norte, na Ucrânia - bloqueando o estreito de Kerch por causa disso. A Romênia pode se tornar vítima de algum tipo de guerra de informação. A agência chegou à seguinte conclusão: Os incentivos russos, especialmente a promessa de continuar e expandir a cooperação na Síria, bem como as perdas potenciais devido à recusa da cooperação existente, fizeram os turcos pensarem seriamente sobre a conveniência de apoiar o grupo da OTAN. As ações bilaterais das equipes turca e búlgara na reaproximação com a Rússia já são ruins. A conclusão foi um tanto desanimadora, uma vez que acabou sendo mais fácil para Moscou destruir a aliança antirrussa no Mar Negro por meios não militares, do que combatê-la.


Sergey Marzhetsky - topcor.ru

167 visualizações0 comentário

Receba nossas atualizações