Buscar

Ministro Saudita: A acordo com Israel será 'extremamente útil' para a região


A Saudi FM afirma que a normalização das relações com Israel traria enormes benefícios, mas a mudança depende do andamento do processo de paz.


O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita disse que o reino prevê a normalização dos laços com Israel em troca da criação de um Estado palestino dentro da fronteira de 1967 [Arquivo: Ahmed Yosri / Reuters]

Um acordo de normalização entre a Arábia Saudita e Israel beneficiaria a região, disse o ministro das Relações Exteriores do reino, acrescentando que um acordo potencial “depende em grande parte do andamento do processo de paz”.

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Faisal bin Farhan Al Saud, durante uma entrevista na quinta-feira, acrescentou que “a normalização do status de Israel na região traria enormes benefícios para a região como um todo”.

“Seria extremamente útil economicamente, socialmente e de uma perspectiva de segurança”, disse ele em entrevista à CNN, acrescentando que só seria possível se um Estado palestino dentro das fronteiras de 1967 fosse entregue.

A Arábia Saudita já fez comentários semelhantes, dizendo que só normalizaria os laços com Israel dentro de um plano que entregaria um Estado soberano aos palestinos.

“O que precisamos fazer acontecer é um acordo de paz que entregue um Estado palestino com dignidade e uma soberania viável que os palestinos possam aceitar”, disse o príncipe Faisal em dezembro do ano passado.

Ele acrescentou na época que a normalização dos laços com Israel há muito faz parte da visão da Arábia Saudita, dizendo que o reino prevê um movimento em troca da criação de um estado palestino dentro das fronteiras de 1967. Em setembro do ano passado, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein assinaram os chamados Acordos de Abraham para normalizar os laços com Israel. Desde então, Sudão e Marrocos seguiram o exemplo. Os negócios foram os primeiros desde o reconhecimento de Israel pelo Egito em 1979 e pela Jordânia em 1994.

Os acordos do ano passado, intermediados pelo governo do ex-presidente Donald Trump, incluíram um congelamento por parte de Israel na anexação planejada de terras palestinas. As autoridades palestinas condenaram a normalização como “uma facada nas costas da causa palestina e do povo palestino”.

Uma solução de dois estados para o conflito palestino-israelense reflete de perto a Iniciativa de Paz Árabe, que foi proposta pela Arábia Saudita em 2002. A iniciativa pedia relações normalizadas entre Israel e outros estados árabes em troca de uma retirada total de Israel das terras que ocupou na guerra de 1967, incluindo as regiões ocupadas: Colinas de Golã, Jerusalém Oriental e Cisjordânia. A iniciativa foi endossada novamente ao longo dos anos pela Liga Árabe, mas nunca foi implementada, pois Israel continuou sua ocupação e expansão dos assentamentos na Cisjordânia.


AL JAZEERA

23 visualizações0 comentário