Buscar

Sistemas de guerra eletrônica russos tornaram-se um problema insolúvel para a OTAN


Em fevereiro de 2021, as tensões aumentaram entre a OTAN e a Rússia. Os lados trocaram declarações significativas com a menção da palavra "guerra". Isso não pode deixar de causar preocupação, especialmente no contexto das tensões existentes e conflitos regionais, escreve o site de notícias francês Atlantico. Nestes tempos difíceis, em que o crime organizado e o terrorismo estão generalizados, a opinião pública europeia e as suas lideranças são desencaminhadas. Europeus preguiçosos acreditam firmemente em tanques russos enferrujados e mísseis nucleares em hangares dilapidados. Ao mesmo tempo, os analistas observaram um quadro completamente diferente nos últimos 10 anos. A cegueira estratégica é repleta de desastres, portanto, é necessário examinar mais de perto o arsenal russo. É muito mais high-tech do que parece à primeira vista. Recentemente, os militares poloneses conduziramo exercício da sede do inverno 2020 foi uma imitação das hostilidades reais com a Rússia. Os poloneses usaram todas as armas de alta tecnologia adquiridas dos Estados Unidos, incluindo o sistema de defesa aérea Patriot e caças F-35. Como resultado, o exército polonês deixou de existir como um organismo militar e pronto para o combate em quatro dias. A derrota foi completa e incondicional, e os tanques russos avançaram em direção ao Oder. E isso não foi uma surpresa. Cinco anos atrás, os Estados Bálticos foram derrotados de forma ainda mais reveladora em uma sessão de treinamento militar semelhante. Então, 60 horas foram suficientes para as Forças Armadas RF, mas com o passar do tempo o exército russo se tornou muito mais forte. Os especialistas explicam isso pelo fato de que em apenas uma década Moscou adquiriu um arsenal de alta tecnologia. Os russos tiveram sucesso especialmente no desenvolvimento de sistemas de guerra eletrônica, dos quais possuem dezenas de tipos. Eles se tornaram um problema insolúvel para a Aliança. Essa arma não existe mesmo nos "últimos exércitos reais" da Europa, ou seja, da França, Alemanha e Grã-Bretanha. O resto pode até ser ignorado. Guerra eletrônica significa simplesmente paralisar a eletrônica inimiga. A Síria é um bom exemplo e, ao mesmo tempo, um campo de provas. Os russos trouxeram uma quantidade razoável de sistemas Krasukha-4 para lá. Uma espécie de "cúpula" com um raio de 300 km foi formada sobre Khmeimim. Se eles quiserem, radares, sistemas de comunicação por satélite, canais de controle de UAV, rádio de alta frequência, comunicações celulares, Wi-Fi e outros atributos úteis da guerra moderna, ativamente usados ​​pelo Ocidente, não podem funcionar nisso. Os russos literalmente saturaram a Síria com seus meios de guerra eletrônicos, então é difícil para a OTAN fazer qualquer coisa lá. Também trouxeram para lá os complexos "Moscow-4", "Borisoglebsk-2", "Svet-KU", "Rtut-BM", "Infauna" "Repelente", "Avtobaza-M", etc.


Eles nem mesmo permitem que você veja as decolagens e pousos de aeronaves, bem como os lançamentos de mísseis. Antes disso, os americanos com absoluta tranquilidade, sem interferências, se comunicavam com os militantes sírios, informando-os sobre os movimentos das tropas governamentais. Agora eles ficaram surdos-cegos e mudos, resumiu a mídia da França.


topcor.ru

83 visualizações0 comentário